ANIMAR 15 na Solar - Galeria de Arte Cinemática

ANIMAR 15 na Solar - Galeria de Arte Cinemática

Imagem de instalação artística desenvolvida a partir de

Imagem de instalação artística desenvolvida a partir de "Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias"

Mala de objetos utilizados na produção do filme

Mala de objetos utilizados na produção do filme

ANIMAR 15 na Solar - Galeria de Arte Cinemática

ANIMAR 15 na Solar - Galeria de Arte Cinemática

Imagem do filme

Imagem do filme "Purpleboy"

Purpleboy na Solar - Galeria de Arte Cinemática

Purpleboy na Solar - Galeria de Arte Cinemática

Imagem do filme

Imagem do filme "Armados em Espiões", programa da festa Animar 15

Sobre o Programa Geral

A Solar – Galeria de Arte Cinemática acolhe mais uma exposição realizada no âmbito da ANIMAR, em 2020 já na sua 15ª edição. Esta exposição constituirá o centro de uma série de atividades diversificadas que, para além de explorarem as relações entre o cinema e as artes-plásticas, promovem a aprendizagem lúdica nestes campos da criatividade artística e, ao mesmo tempo, facilitam a descodificação de conteúdos, através da documentação e demonstração dos processos que levam à consecução das obras, desde a ideia inicial às mais variadas etapas de produção.
As atividades a desenvolver destinam-se ao mais vasto leque de públicos, com enfase na formação das crianças e jovens em idade escolar, desde o primeiro ciclo do ensino básico até à universidade, não esquecendo os mais pequeninos e o contexto das suas famílias.
A programação da ANIMAR 15, que integra também sessões de cinema dedicadas a escalões etários divididos em M3, M6, M10 e M14, embora centrada no cinema de animação, abarca as várias áreas do cinema, como a ficção e o documentário, constituindo uma oportunidade para dar a conhecer algumas das curtas-metragens mais relevantes na produção nacional recente.
Esta exposição parte de um filme muito especial, “Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias”, a mais recente obra em cinema de animação de Regina Pessoa. Trata-se, também, da celebração da sua carreira de 20 anos enquanto cineasta, centrada num filme de inegável qualidade, arrojo técnico e estético, mas também particularmente interessante no âmbito das temáticas e objetivos da ANIMAR, porque evidencia uma conjugação perfeita entre o universo da animação e do documentário. Para além das instalações artísticas motivadas por elementos destacados do filme, como a música, aspetos da criação plástica ou objetos utilizados em sequências animadas do filme, a carreira da cineasta e, também, artista plástica, será explorada num percurso que dará a conhecer, talvez pela primeira vez, a diversidade da sua obra.
As instalações artísticas foram imaginadas e desenvolvidas, num trabalho colaborativo entre a equipa da Solar, a realizadora e o seu produtor, Abi Feijó, explorando dispositivos técnicos variados e as suas articulações possíveis com o espaço físico da galeria, refletindo os processos criativos implicados no filme. São, igualmente, explorados os elementos distintos de cada etapa de produção, desde os registos textuais e gráficos que documentam a ideia inicial, aos vários ‘storyboards’, às imagens referência que inspiraram Regina Pessoa, à correspondência muito visual com Andreas Hykade (realizador de cinema de animação alemão, que acompanhou o desenvolvimento do filme), alguns dos objetos que pertenciam ao tio Tomás, incluindo páginas e a sua mirabolante contabilidade, tudo num âmbito documental e, ao mesmo tempo, imersivo. Os restantes filmes de Regina Pessoa, “A Noite” (1999), “História Trágica com Final Feliz” (2005) e “Kali, o Pequeno Vampiro” (2012), serão também alvo de alguns apontamentos, passando pela inclusão de alguns brinquedos óticos e pela mostra dos seus cartazes, que contextualizarão outros aspetos da sua obra gráfica. Um registo vídeo de uma ‘master class’ documentará também, na primeira pessoa, o seu processo criativo.
Regina Pessoa, tem vindo a receber, por várias vezes, reconhecimento artístico, quer a nível nacional e internacional, até por numerosas premiações em festivais internacionais de cinema de elevada reputação. A sua carreira é pautada por colaborações artísticas com a atividade da Curtas Metragens CRL, nomeadamente na programação de edições passadas da ANIMAR, como são exemplos a sua participação na exposição ANIMAR 8, em 2013, ou a retrospetiva dos seus filmes na Festa de Encerramento da ANIMAR 14, no ano passado.
Um segundo filme de animação, premiado no Curtas Vila do Conde Festival Internacional de Cinema do ano passado, “Purpleboy”, de Alexandre Bohrer Siqueira, figurará como resultado de um convite especial. Dada a sua inegável qualidade e pertinência temática, a direção artística da Solar não poderia ter ficado indiferente, logo na sua estreia no Curtas, explorando a possibilidade da sua participação também na Animar. Para além da exibição de uma série de estudos visuais preparatórios e do ‘stoyboard’, outros elementos destacados do filme serão igualmente explorados, como será o caso da música original. Referência para mais um aspeto lúdico pedagógico da exposição, também inspirado em “Purpleboy”, a criação de uma horta no terraço da Solar, que segue um modelo diretamente retirado de um dos seus planos, em forma de avião.
Para além desta exposição, a ANIMAR 15 promove visitas-oficina, também na Solar, sessões de cinema no Teatro Municipal de Vila do Conde e nas escolas, oficinas de ‘stop-motion’, pixilação e brinquedos óticos, para além de workshops, com ênfase no cinema de animação mas também no documentário.
Estas atividades constituem um conjunto de novas ferramentas, meios e metodologias que introduzem o princípio de aprender através de uma experiência lúdica e participada. Uma proposta inovadora de sensibilização para a arte, através da descodificação da imagem em movimento e da mobilização de saberes transversais, estimulando a imaginação através do princípio de aprender a brincar.

A Festa da Animar, no Teatro Municipal de Vila do Conde, aproveita, oportunamente, uma nova sinergia entre a programação da Animar e a crescente afluência de público às sessões dedicadas ao público infantojuvenil da responsabilidade do Teatro Municipal de Vila do Conde, com a exibição de uma longa-metragem de animação de grande público, de qualquer modo adjacente aos temas da programação, dando a conhecer alguns dos artistas e entidades que estarão presentes ao longo da programação nos restantes momentos e locais, num sentido de promoção tão alargado quanto possível. A Festa de Encerramento, no mesmo teatro, será um evento com uma escala semelhante à primeira e o momento em que o público poderá vislumbrar o que terão sido alguns dos momentos mais marcantes da programação, através da projeção de um ‘making-of’ e das curtas-metragens realizadas nos ateliês de imagens em movimento, considerados de longa duração, orientados por realizadores de animação experientes. A sessão encerrará com uma projeção de filme ou um espetáculo audiovisual, também adjacente à temática da programação.

© 2020 Curtas Vila do Conde